9 de janeiro de 2010

Casamento Gay..

A minha opinião acerca deste tema é um bocado abstracta, a verdade é que todos temos o direito de nos exprimir, e se os homossexuais lutam pelos seus interesses, eu luto pelos meus! Não acredito que por não aceitar o casamento entre estes me considerem ultrapassado, ou mesmo antiquado, apenas conservador.
O que mais me chateia neste caso é que acho indecente que não me possa expressar por ser contra esta lei, na minha opinião fica mais uma vez provado que este governo não sabe servir o nosso pais, porque se soubesse, iria deixar que os portugueses manifestassem a sua opinião com a realização de um referendo, até mesmo por respeito ao elevadíssimo numero de pessoas que assinaram a petição para que este se realiza-se. Assim, creio que nos vai ser imposta uma lei em que a maioria não concorda, isto pode torna-se mesmo um atentado à democracia e à liberdade de expressão. O certo é que isto não vai causar grandes manifestações aos portugueses, até por esta acontecer no clima económico em que mergulhamos, e de certeza que grande parte da população tem mais em que pensar.
O homem e a mulher são diferentes e complementam-se, não há outra forma de viver um amor pleno e total (na minha opinião), as crianças, naturalmente, como é suposto, nascem de um homem e de uma mulher que se amam.

Digam o que disserem a verdade é uma só uma!

4 comentários:

  1. Foi mensagem de Cavaco Silva na passagem de ano, o apelo que fez ao relembrar os valores familiares, a força da sua união e que devemos acima de tudo preservar aqueles de quem mais gostamos. É sem dúvida exemplo de uma pessoa conservadora,que nao se revela menos integro por nao opinar, sendo assim suficiente para respeitar o espaço dos outros.
    Se nao puderem ser quem querem ser, onde se encontra a liberdade dos gays, já vivemos num país onde pagamos e somos obrigados a justificar-nos por tudo o que fazemos e nao fazemos. Onde parará a descriminação perante o ser homosexual, a globalização não permitirá ser-se conservador com valores ultrapassados. O desenvolvimento não é só industrial ou económico é tambem mental,cultural e civico. As nossas mentalidades sofrem sem dúvida a maior transformação de sempre no séc.XXI, a todos os níveis. Mas quero destacar o aparecimento de instituições cuja principal função passa por compreender e ajudar o próximo. De imediato lembro-me da ONU que promove principalmente o progresso social, lutando por melhores padroes de vida e por os Direitos Humanos. Envolve mais de 190 estados, é uma preocupação mundial e por algum motivo será, não se pode ignorar, deve ser obrigatória uma reflexão antes de julgarmos seja o que for.
    O tabu desapareceu à muito tempo, na idade média o ser humano já se fornicava nas masmorras sem moralidade alguma.
    Hoje vivemos atrás de esperança, de crenças, de liberdade, o homem cresceu na sua condição generosidade/humanidade enquanto ser humano, mas a sociedade continua a pesar muito na consciencia de cada um, influenciando e hierarquizando estatutos sociais através de futilidades. Porque casar?, só entendo se for para duas pessoas sentirem-se melhor, mais seguras, mas para isso nao devia ser necessário o casamento. Entao será para marcar um novo ínicio das nossas vidas?, talvez.
    Igreja como obstáculo?, os seus principios sao bonitos mas o seu comportamento nao, e isso diz-nos a história, descriminaram, julgaram e mataram. Sou católico e acredito que tambem sou crente, mas nao condiciono de maneira nenhuma a oportunidade de igualdade, neste caso a oportunidade de realizar o desejo de uma vida. Procuramos todos o mesmo, ser felizes perto de quem mais gostamos.
    Será que a nossa Natureza resume-se a Homem-Mulher e a sua complementariedade?, é uma questao de sentimento, pessoalmente sinto-me completo com uma mulher, é a minha educaçao e são as experiencias de vida que ditam a minha personalidade.
    Cada familia é uma familia, cada uma tem os seus problemas, cada uma tem as suas alegrias. A diferença separa uma familia da outra. Nao poderá o homosexual constituir mais uma familia diferente?
    O meu objectivo é simples, a nossa mentalidade evoluiu, de uma forma sem precedentes. O nosso comportamento no dia-a-dia em nada reflete a doutrina ensinada por a Igreja. É o nosso comportamento que decide se realmente lutamos por a igualdade de direitos, e o desfecho de descriminar ou nao os gays.
    O Sócrates disse muito bem:” é um passo muito importante e simbólico na direcçao de assegurar o respeito aos valores que são essenciais em qualquer sociedade democrática: liberdade,igualdade e nao descriminação.” Infelizmente vivemos num mundo animal, assegurado por leis, por isso a questao é mais profunda do que parece, temos de pensar tambem nas consequencias caso nao haja igualdade no matrimónio. Pois tambem nao haveria igualdade fiscal, no que diz respeito a heranças e à habitaçao, tudo isto estaria em causa.
    É uma situação complexa, que deve ser pensada e ponderada com sensatez tendo em conta toda uma infinidade de perspectivas para se chegar a uma conclusão. Nao se pode dizer:” sou contra” de animo Leve.

    David dos Reis 08.01.10

    ResponderEliminar
  2. Qual a diferença para os gays viverem juntos ou serem casados? Eu penso que este tema é uma espécie de preconceito criado pelos próprios gays. Eu acho que a sociedade já aceita a homossexualidade e trata isso com a maior das naturalidades. Qual a necessidade de aprovar uma lei? Será preciso tornar legal o casamento gay para que haja liberdade de expressão? Na minha opinião confundem-se duas coisas diferentes. O tornar legal o simples casamento gay e a liberdade de expressão. Eu sou contra o casamento gay mas não tenho qualquer tipo de preconceito com os gay's. Não me incomoda nada ver duas pessoas do mesmo sexo a namorarem ou andarem na rua como se fossem homem e mulher. Só acho que o amor entre um homem e uma mulher é a coisa mais bonita do mundo e é essa a lei natural que faz multiplicar a espécie. Como se pode tornar legal uma coisa que é contra as leis da vida, contra a lei da multiplicação da espécie?
    Também não me considero antiquado como tu mas esta lei faz-me muita confusão. Espero que o senhor do Palácio de Belém vete isto, porque não se pode ignorar simplesmente todos os movimentos de independentes que foram feitos contra este tema. Estamos no país onde há direito há liberdade e muitas pessoas manifestaram o desejo de um referendo que foi totalmente ignorado pelo governo.
    Outra coisa que me faz imensa confusão é o facto de se perderem dias na Assembleia a debater temas deste tipo, que na minha opinião são secundários, quando vivemos uma grave recessão económica que parece que foi deixada para segundo plano só para permitir que os gays se sintam aceites pela sociedade.


    Um abraço,
    Luís Grosso

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  4. É só perder tempo a falar de ANORMAIS...na assembleia e aqui...Iraque com eles todos...

    ResponderEliminar